terça-feira, 10 de maio de 2011

Numa Noite de Setembro... - Karen Van Der Zee

Título Original:
Shadows on Bali
Copyright © 1988 by Karen Van Der Zee

Protagonistas:
Nick Donovan e Meggy Opperman

Sinopse:


Conseguiriam vencer a distância que havia entre eles?
"Você me ama demais, me sufoca!", Nick havia dito a Meggy, antes de abandoná-la. Aquelas palavras a feriram e lhe martelaram a mente durante dias, meses... a ponto de ela achar que não suportaria a dor. Com o passar do tempo conseguira se refazer, só não esperava reencontrá-lo.
Mas era inevitável. Tinham os mesmos amigos, freqüentavam os mesmos ambientes... e agora via-o a poucos metros, acompanhado por uma linda morena. Meggy pensou em fugir dali, mas mudou de idéia. Iria enfrentar o desafio e dar uma boa lição a Nick!

Resenha:

Bem.. não sei dizer, exatamente, o que eu esperava desse livro, mas certamente, não foi o que eu encontrei. Quando li a sinopse, me pareceu um livro beeeem dramático, onde a mocinha sofre bastaaaaante nas mão dos mocinho cruel (devo confessar que são meus tipos de livro favoritos), e não é bem assim. Devo dizer, que o jeito da mocinha, me surpreendeu bastante. Positivamente. Não se rendeu facilmente, mas isso, também pode se tornar cansativo de se ler. O mocinho, me desculpem, mas eu achei ele um idiota grosso. Nossa! A história da geladeira, lá, eu achei o fim!!! Além do fato de ele ter abandonado nossa heroína, simplesmente pelo fato de ela amá-lo. De cuidar dele! Por enfeitar a casa com flores!!! Bem, se ela fosse uma porca bagunceira, de repente, ele gostasse mais. Depois de dois anos... Eu escrevi DOIS ANOS!, não me ficou muito claro porque, lhe dá um estalo e ele decide que ela lhe faz falta e a quer de volta. Depois de esculachar dizer para ela que não aguenta ela, porque ela o ama demais e sufoca, ele vem, querendo colocar a vida dela de pernas para o ar e mandar nela. Afffffffffffffffff..  Mas, enfim.. consegui ler até o final, sem dormir, o que já é uma grande coisa. Apenas confesso que não é o meu tipo de livro favorito.

Meggy e Nick moravam juntos, ela era aquele tipo Amélia, sabe, que cuida da casa e do seu homem com muito zelo e até lhe manda flores. Bem, Nick, decide que tudo isso é muito chato, que não aguenta mais tanta organização e amor e mete o pé a abandona. Claro que Meggy sofre muito, pois ela o considera o amor de sua vida. Um desses, estou dispensando, obrigada! Quando sai de sua vida, ela decide mudar e decide se dedicar apenas ao trabalho, sem se envolver seriamente com mais ngm. Devo dizer, que gostei disso. Ela não deixa de namorar, sofrendo pelo outro imbecil, simplesmente não quer mais compromissos. Dois anos depois, ela já uma nova mulher, recebe uma proposta de trabalho irrecusável (eskeci de mencionar que ela é arquiteta) para trabalhar em Bali, num projeto que ela considera maravilhoso. O que ela não sabe é que o autor do projeto é Nick que o desenvolve para se aproximar dela e trazê-la de volta a sua vida, já que está convencido que fez uma burrada ao deixá-la. Créditos para a Meggy que teve bastante personalidade e para Sam, o quase-médico, porque fui mais com a cara dele do que com a o Nick.

Ponto Alto:



Depois do jantar, Sam pegou sua moto e foi assistir o Wayang Kuli. Meggy tomou um longo banho de chuveiro.

Quando estava acabando de colocar a camisola, ouviu uma batida na porta e levantou-se para atender.
— Quero falar com você.
Era Nick. Com lábios apertados, olhar furioso, cabelos caindo sobre a testa, entrou na sala.
— Onde está ele?
— Quem?
— Aquele rapaz, Sam não sei o quê?
— Não acho que seja da sua conta.
— Eu quero que ele vá embora — Nick disse com determi­nação. — Quero que saia desta casa. Que suma daqui e conti­nue a sua viagem pelo mundo.
Ela o encarou e sorriu.
— Você deve estar brincando!
— Não estou brincando. — Realmente seu olhar era furioso.
— Mas esta é minha casa
— E eu não o quero aqui dentro. Ela o olhou em silêncio.
— Isso parece uma cena de ciúme. Nick encarou-a.
— Eu estou com ciúme.
— O que é isso, uma piada?
— Não, não é.
Meggy ficou surpresa com a inesperada confissão. Nick estava com ciúme. Realmente estava. Podia ver isso na expres­são dos seus olhos, na tensão do seu corpo.
— Não é uma emoção bonita — ele disse com voz rouca. — É irracional. É primitiva. É destrutiva, sei de tudo isso. Lu­tei contra isso, mas não consegui evitar. Quero esse rapaz fora daqui, ou eu não serei responsável pelos meus atos.
Meggy poderia lhe dizer que ele não tinha o direito de exigir que ela mandasse Sam embora. Não tinha direito algum sobre ela ou o que fazia. Mas aquela confissão inesperada acabou com toda sua indignação.
— Ele vai embora amanhã — ela revelou.
— Ótimo. — Olhou-a por um momento, depois virou-se e saiu.

Classificação:


2 comentários:

Amanda e Elidiane disse...

Aff!! Não suporto mocinhos assim, grossos!!
Não tem heroina que aguente! rsrs
Beijos Luciana!
Elidiane'

Entre Amigas

Mara Br. disse...

Amei a resenha. Tambem não gostei de cara desse 'mocinho' que aparentemente muito inseguro de seus proprios sentimentos é tomado pelo impulso de agir de forma totalmente imatura e egoísta com nossa heroina, mas nossa!!!! A parte em que ele EGIXE que o outro saia da casa DEEEELA sem o menor tato e ela ACEITA me deixa sem ação e mais me faz pensar o amor é cego, louco e não nos deixa nos nossos sentidos normais. Entretanto um amor tão forte e verdadeiro nos faz superar qualquer sentimento pré existente seja até mesmo de dor causado pela separação. Talvez seja pelo desejo dela de voltar a sentir TUDO o que um dia ELE a fizera sentir e sendo assim QUEM pode culpa-la por tentar de tudo... até mesmo aceitando ceder à ele ao invés de chuta-lo para longe ;) não eu certamente...
mara_francezinha@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...