sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Revelação: Amante por Uma Noite - Kelly Hunter

Título Original:
Exposed: Misbehaving With The Magnate
Copyright © 2009 by Kelly Hunter

Protagonistas:
Lucien Duvalier e Gabrielle Alexander

Sinopse:

Um desejo proibido… e uma paixão devastadora!


Gabrielle era somente a filha da empregada… E Luc Duvalier, o rico herdeiro. Sete anos após ser expulsa por terem trocado um beijo ardente, ela retornou para mostrar a ele a mulher na qual se transformara… e encará-lo de igual para igual. O fogo entre Gabrielle e Luc ainda estava em brasa, e ambos sabiam que em pouco tempo se renderiam aos apelos da paixão. E,

apesar de todo o escândalo, dessa vez Luc não deixaria que preconceitos o separassem novamente da única mulher que amou!


Palavras da blogueira:

Então, primeiramente, estou de volta! O blog ficou abandonado por quase um ano, sem postagens, nem nada e eu decidi voltar, porque adoro resenhar os livrinhos de banca que leio. Para mim, é como uma terapia. Com o trabalho e a faculdade, estou com tempo beeeeem escasso, mas vou encontrar um tempinho, nem que seja aos fins de semana, entre organizar a casa, ver minhas novelas atrasadas e ler meus livros da minha pilha de pendentes, para resenhar.

Resenha:

Então... eu acho que criei muitas expectativas em relação a este livro. E eu odeio quando isso acontece! Eu adorei o título, fui buscar resenhas e li várias positivas. Creio que isto me levou a criar muitas expectativas e fiquei um pouco desapontada. O livro não é ruim. Não mesmo. Eu é que acabei esperando demais. Eu meio que senti o livro como uma história sendo narrada, mas sem um pingo de emoção. Uma coisa meio didática, meio escola, sei lá. Não posso negar que amei Simone, a irmã de Luc que é muito engraçada e me fez ter muita vontade de ter uma melhor amiga como ela. Aliás, Simone tem um livro contando a história dela e de Rafe, irmão de Gabrielle, que estou lendo agora e a resenha chega logo, logo. Também adorei o Luc, mas eu queria mais... paixão! Não que não houvesse paixão entre Luc e Gabrielle. Havia. Até demais. Mas eu gostaria de mais paixão na narrativa mesmo. Senti falta de ceninhas fofas, românticas. Achei tudo muito frio. Dei três estrelinhas.

Gabrielle era a filha da governanta do castelo. Luc, o filho do dono. Os dois cresceram juntos e com o passar dos anos se apaixonaram um pelo outro. Quando Gabrielle estava com 16 anos, forma pegos se beijando e sua mãe - que é uma verdadeira bruxa - a enviou para a Austrália, para viver com o pai e afastá-la de Luc. Por outro lado, considerando que era o melhor para, pois ainda era praticamente uma criança, Luc nada fez para impedir. Anos depois, Gaby recebe a notícia de que a mãe está muito doente e volta a Caverness e reencontra Luc. Desta vez, como uma mulher independente e bem sucedida, não consegue novamente controlar seus sentimentos por Luc, assim como ele. A paixão ainda é forte e os dois não conseguem estar no mesmo cômodo sem se desejarem mutuamente. Créditos para Simome, irmão de Luc e para Luc que é um gentleman. Para Gaby também, por ser forte e independente. Nota baixa, eu dou para a autora que não soube explorar bem sua narrativa com o plot maravilhoso que tinha nas mãos.



Segundo Livro da Série Paixão & Escândalo:


Revelação: Fruto de um Desejo - Rafael Alexander e Simone Duvalier


Pontos Altos:


" Você mudou disse ele de repente.Gabrielle esperava que sim. Está mais dura comentou Luc.

Obrigada.
Mais bonita.
Obrigada de novo. Gabrielle sabia que não era mais uma mocinha de 16 anos. E Luc não era o centro de sua vida. Olhe para nós dois falou em tom zombeteiro. Amiguinhos de infância e eu o cumprimentei como se fosse um estranho. São três beijos, certo? Um em cada face e mais um? Aproximou-se e aflorou os lábios na face esquerda dele, sentindo o perfume sutil de pinho em sua pele. Um. Foi para a outra face, ignorando que Luc parecia ter virado uma estátua de pedra. Dois murmurou, deixando os lábios em seu rosto uma fração de segundo a mais.
Para trás, anjo murmurou ele, tocando o queixo de Gabrielle e depois a nuca com mão firme. Para seu próprio bem e o meu também."

***

"— Vou mandar alguém buscar sua bagagem avisou Luc sem preâmbulos, tomando seu conhaque e depositando o copo com excessiva força sobre o balcão do bar.
Gabrielle franziu o nariz ao ouvir o barulho. Estava nervosa.
Pode ficar aqui disse Luc. Há espaço suficiente.
Entretanto Gabrielle balançou a cabeça.
Não posso replicou, erguendo o queixo da mesma maneira teimosa de anos atrás e da qual Luc bem se recordava. Você ouviu Josien. Sorriu com amargura, balançando o conhaque dentro do copo. Ela não me quer aqui.
Da última vez que verifiquei murmurou ele com a voz falsamente suave Luc, e não Josien, era o senhor de Caverness. Já disse que há lugar para você aqui. Não precisa ficar no vilarejo. Tenho certeza de que Simone ficará feliz com sua companhia.
E você? Gabrielle baixou o copo dos lábios, fitando Luc intensamente com seus olhos cinzentos cheios de dor. Ficará feliz com minha companhia também? Houve uma época em que não via a hora de me ver partir.
Você tinha 16 anos, Gabrielle. E se não compreendeu meus motivos para encorajá-la a partir e entrar na idade adulta em outro lugar, não é tão esperta como sempre achei. Mais uma semana de convivência naquela época e eu a teria nua na cama. Na sua ou na minha ou no meio da escada. Não teria me importado concluiu de modo rude. E nem você.
Ele a surpreendera. Chocara. Podia ver isso nos olhos de Gabrielle. Bem... foi ótimo termos esclarecido isso murmurou ela, tomando mais um gole de conhaque e depois depositando o copo sobe a mesa com enorme esforço. Creio que deveria agradecê-lo. Mas não agradeceu. Perdi a virgindade com um belo fazendeiro australiano quando tinha 19 anos disse em voz baixa e trêmula. Ele era charmoso e divertido e fazia meu pulso acelerar e meu corpo desejar mais. Era tudo que uma garota poderia desejar para sua primeira vez, mas, mesmo assim, não foi o suficiente. Gabrielle se encaminhou para a porta.
Luc permaneceu colado ao chão.
Estarei hospedada no velho moinho pelas próximas três semanas. Se puder me avisar sobre as condições de saúde de minha mãe, ficarei muito agradecida.
O que não foi o suficiente? A garganta de Luc doeu ao pronunciar essas palavras penosas, mas precisava saber. Gabrielle, por que o fazendeiro a desapontou?
Não achava que ela fosse responder a essa pergunta, mas então Gabrielle se voltou junto à porta e o fitou com seriedade.
Não sei... Talvez simplesmente porque ele não era você,
Luc esperou até que ela desaparecesse do outro lado da porta e depois praguejou. Orgulhava-se do próprio autocontrole. Esforçara-se muito para isso; lutara contra sua própria natureza. Apenas uma mulher o fizera perder o controle: Gabrielle. Os resultados haviam sido desastrosos. Em todos os sentidos: Josien ficara histérica, o pai de Luc, aborrecido, e Gabrielle... a inocente e confiante Gabrielle, fora mandada embora.
Ela perdera a virgindade com um belo australiano.A fúria dominou Luc enquanto pegava o copo e o atirava contra a lareira, acalmando um pouco sua raiva quando o cristal se partiu em mil pedaços brilhantes."

***

 " Não se culpe Luc. Não faz seu estilo.
Os olhos dele brilharam de modo perigoso, enquanto murmurava: Cuidado com as palavras, Gabrielle. Não me provoque.
Melhor agora. Esse é mais seu estilo.
Então Luc a segurou pelo braço e a empurrou para as sombras dos muros de Caverness. Ficou ali parado, fitando-a em silêncio para depois dizer:
Por que faz isso? Fica me provocando sem parar. Eu a alerto, mas você parece nunca me ouvir.
Estou ouvindo agora respondeu ela com os lábios secos, dando um passo atrás para bater com as costas no sólido muro de pedras. Estou ouvindo com toda a atenção.
Ótimo, porque estou escolhendo as palavras com cuidado. Lembra-se de como era quando eu perdia o controle com você, Gabrielle? É isso que quer ver?
Não.
Mas em seu íntimo a vozinha que não queria calar disse que sim. Queria vê-lo perder o controle.
Não repetiu ela com mais firmeza. Quero que sejamos civilizados um com o outro. É tudo.
Civilizado, eu? zombou ele. Perto de você?
Sim.
Que Deus me ajude.
Poderia pelo menos tentar acrescentou ela com seriedade. Nem mesmo consegue me cumprimentar de maneira normal.
Já parou para se perguntar por quê? rebateu Luc.
Não, Gabrielle não tinha feito isso; tudo que conseguia ver era que, com ela, Luc não agia com a naturalidade que demonstrava para com as outras pessoas.
Apenas lembre que isso foi sua idéia, não minha murmurou Luc, apoiando as mãos dos dois lados do muro e fitando-a nos olhos. Quer meu cumprimento? Aqui vai. Bonjour, Gabrielle... bom dia. Ela podia sentir o calor de seus lábios sobre seu rosto quando ele a beijou na face.
Viu? murmurou ela com voz trêmula. Não doeu.
Ainda não terminei retrucou ele, pousando os lábios na outra face de Gabrielle, demorando mais do que o necessário e depois deslizando a língua até o contorno de sua boca.
Gabrielle gemeu de leve. Diga "bom dia, Lucien" murmurou ele com os lábios junto aos dela. E pare de sofrer, porque está louca para que a beije. Pode cerrar os punhos, meu anjo, porque mais cedo ou mais tarde as pessoas começarão a nos observar e pensar o que acontece entre nós dois. Quer que saibam o que vai acontecer a seguir, Gabrielle? Quer?
Não murmurou ela. Não seria civilizado, certo?
Luc sorriu com brevidade. Não. E pressionou os lábios contra os dela de modo suave, mas foi o suficiente para fazer Gabrielle fechar os olhos e corresponder.
Os dedos dele seguraram seu rosto com firmeza, enquanto com a outra mão Luc acariciava seus cabelos. Não era um mero beijo de boas-vindas, de jeito nenhum. Havia uma pergunta embutida nesse beijo. E para Gabrielle só existia uma resposta. Com um estremecimento, ela entreabriu a boca e o recebeu.
Luc sabia que beijar Gabrielle era um erro. Sempre soubera disso. Ela nunca se resguardava; entregava-se com prazer. O gosto de seus lábios era o do melhor vinho, ele nunca se cansaria do seu perfume, mesmo que vivesse cem anos... Queria sentir as mãos de Gabrielle em sua pele mais do que o ar que respirava."

***

"Ele estava à sua espera como Gabrielle imaginara, usando roupas escuras, mas não tanto quanto seus cabelos e olhos. Luc ficou imóvel ao vê-la chegar, cada músculo, no físico forte e perfeito, tenso e agressivo. O que ela encontraria no amante esta noite? O que Luc lhe daria?
O que ela daria para permanecer ao lado desse homem?Gabrielle venceu a distância entre os dois, parando apenas quando bastaria erguer a mão para tocar seu rosto.
Sempre tão silencioso murmurou ela. Tão cuidadoso quando estou por perto. Repetiu as palavras que dissera sete anos antes, pronunciando-as com audácia e honestidade. Sua postura me diz que é uma pessoa perigosa para mim.
Sou.
Por quê?
Por causa do que desejo respondeu ele com a voz rouca pela emoção. Dessa vez falou coisas como nunca fizera no passado, quando o silêncio fora sua única resposta. E do que lhe daria em troca.
E o que você quer?
Tudo.
O que me daria? insistiu Gabrielle.
Qualquer coisa que quisesse.
Há quem chame isso de obsessão.
É murmurou Luc com franqueza e simplicidade.
Ou possessão continuou Gabrielle.
Também é.
Há pessoas que se assustariam com esse tipo de amor, que consome e que é pura loucura. Mas eu não me assusto"


Classificação:













LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...