domingo, 18 de setembro de 2011

Coração Aberto - Natalie Anderson

Título Original:
Between The Italian´s Sheets
Copyright © Natalie Anderson 2009

Protagonistas:
Luca Bianchi e Emily Dodds

Sinopse:

Luca Bianchi havia jurado ficar longe das mulheres e se dedicar exclusivamente ao seu negócio milionário. Ainda assim, sentiu-se atraído pela beleza simples e o estilo de vida pouco sofisticado de Emily. Seu jeito singelo o despertou, e agora ele deseja mostrar a ela o que um homem pode oferecer quando ama uma mulher... Em sua vida, Emily sempre precisou ser a sra. Sensata. Mas agora, com Luca, a srta. Sensual quer se libertar... e dessa vez ela não pretende impedi-la. Noites ardentes entre os lençóis são somente o começo de um romance. Mas, depois de provar tamanha doçura, como resistir ao desejo de querer mais e mais?


Resenha:

Olha! Preciso dizer que não ia muiito com a cara dos livrinhos ModernSexy, não, maaaaass, eles me deram uma rasteiras, porque tem alguns que são realmente bons, como esse... Ah! Eu até gostei do livro. Gostei do mocinho, mas achei a mocinha, não sei... tipo "pode me pisar que eu deixo". Não que o Luca fosse mau ou arrogante. Ele não é. Ele é até fofo, mas sincero ao extremo e vocês sabem que sinceridade demais pode até machucar. E era exatamente o que acontecia. Eles se conheceram na Itália e decidiram ter um caso de férias. Até aí, ok. Em Londres, ele a leva para morar com ele, aceitável. O que me chateou foi a insistência dele em rotular o caso deles, o tempo todo, como sexo e nada mais. Sexo e nada mais, não leva ninguém para morar junto, concordam? Mas, tudo bem. Digamos que Luca tem motivos realmente verossímeis para ser inseguro quanto a se envolver com alguém. Perdeu a mãe aos 5 anos, o pai não deu a mínima para ele e o internou em colégio interno, perde a esposa logo após o casamento, enfim, tem motivos de ter medo de se envolver e voltar a perder. Considera que foram dores fortes demais e que não aguentaria passar por tudo quilo novamente. Beleza, todos nós sentimos isso em algum momento da vida. O que não dá para aceitar é que ele, com sua hiper sinceridade a magoe o tempo todo e ela não faça nada a respeito. Ela entra numa de "me pisa, mas eu não vou embora porque vale a pena lutar por você" que me agoniou. Se fosse eu, teria catado minhas coisas e ido embora e deixado ele sentir bem a minha falta e ir atrás de mim. O problema é que Luca, também não dava sinais muito claros de "quero mais com você do que sexo", então, eu vi essa insitência da Emily de permanecer lá mais como se ela tivesse se humilhando. Mas, no final, quando ele, finalmente se abre com ela e revela que a ama, mas tem medo de perder novamente, é tudo tão lindo, tão singelo e tão tocante, que você acaba perdoando toda a negaçao dele durante o livro. Ah! Um detalhe importante: O livro é ultra-mega-master-blaster HOT! Vide cena do piano. Ui³³! Créditos para  Luca, que apesar de tudo é uma pessoa generosa e humana. E para Micaela.

Ponto Alto:


Emily meneou a cabeça, refreou sua própria frustração ao ver as linhas de tristeza nas feições dele.
— Em que você está pensando?
— Em futebol. — O tom de sarcasmo continha mais amargura do que humor. — Não sabe que não existe um homem no mundo que não deteste esta pergunta?
— Então, não existe um homem no mundo que não seja covarde. — Foi a vez de Emily encará-lo, esperando por mais.
— Não gosto de sentir que perdi o controle, e estou sentindo isso agora. Eu estava no controle esta noite.
Ela deu um passo na direção dele.
— Uma vez você falou que as coisas que fogem ao seu controle o assustam. Eu assusto você?
O olhar dele baixou para seu corpo quando ela se aproximou.
— Sim. Mas acho que, com um pouco mais de tempo, vou conseguir colocar esta situação sob controle.
— É isso que você quer?
— Sim. Somente um caso, Emily, e que terminará em breve.
Ela parou de andar. Quão breve? Porque para ela definitivamente ainda não era o bastante.
— Você quer saber em que mais estou pensando? — Luca se desencostou da porta.
— Não tenho certeza. — A honestidade dele não era muito agradável aos seus ouvidos.
Ele se aproximou.
— Estou pensando em quantas coisas você conquistou, no quanto trabalhou. Mas você não reconhece isso. Menospreza seu emprego sem mencionar a realidade de sua vida.
— Não vou contar uma história triste para despertar pena nos outros, Luca. Você também não faz isso.
— Não, mas eu também não me coloco para baixo. Sinta orgulho de suas conquistas, Emily. Poucas pessoas poderiam ter conseguido o que você conseguiu.
Ela olhou para baixo, observando o peito largo se aproximar. Era difícil sentir orgulho de suas conquistas quando as comparava com as conquistas de alguém como ele ou Francine.
Luca ergueu uma das mãos, gentilmente acariciou-lhe o braço, então a fechou sobre seu pulso.
— Toque piano para mim.
Música para suavizar a fera selvagem e a alma torturada? Sim, tocaria para ele, tocaria para ambos.
Enquanto Luca a seguia de volta para o salão, abriu-lhe o zíper do vestido e este caiu no chão. Abraçando a paixão que ainda fervia entre eles, Emily saiu de dentro do vestido e tirou a calcinha também. Estava completamente nua, exceto pelo bracelete de diamantes adornando seu pulso. Se o caso deles iria acabar logo, então estava determinada a aproveitar ao máximo cada momento.
Ela se sentou, os dedos trabalhando sobre as teclas, observando-o enquanto Luca circundava o piano.

***

Quando eles pararam na frente do prédio magnificamente iluminado, Luca viu o nervosismo no rosto de Emily. Então ela ergueu o queixo e endireitou os ombros, preparando-se para entrar.
— Luca, é ótimo vê-lo aqui.
Ele cumprimentou os anfitriões do evento beneficente.
— Esta é Emily, uma conhecida que acabou de chegar da Nova Zelândia.
O nome Nova Zelândia funcionou. Antes que ele percebesse, ela estava conversando animadamente sobre bungee jumping com um dos sujeitos mais secos, entre outras coisas. Sorrindo, Luca deu um gole em seu vinho e recostou-se para observá-la conquistar todos com seus olhos sorridentes e concentração sincera enquanto os ouvia falar. O grupo de pessoas ao redor deles cresceu, enquanto Emily era apresentada aos outros.
Observando, ocasionalmente acrescentando um comentário, Luca capturou o olhar entre alguns consultores que sabia serem altamente competitivos. Durante algum tempo, alguns anos depois que Nikki se fora, ele participara daquele mundo de bebidas, excesso e mulheres após o trabalho. Tinha sido uma fase insatisfatória que não durara muito, e Luca passara a se concentrar em vencer apenas na arena dos negócios. Mas viu aquele olhar predatório nos olhos deles e foi tomado por puro sentimento de posse. Afastou-a do grupo, puxou-a para perto de si.
— O que... — Emily parou de falar quando encontrou seu olhar.
— Dance comigo. — Luca passou um braço ao redor dela e escoltou-a para a pista de dança, aconchegando-a ao seu corpo de maneira íntima.
Ela ficou com as faces vermelhas, mas arqueou as sobrancelhas.
— Pensei que eu fosse apenas uma conhecida.
— Não me pareceu educado acrescentar "com quem eu durmo a cada possível oportunidade".
Ela riu.
— Você estava nervosa em relação a esta noite — disse ele após alguns momentos.
— Um pouco.
— Por quê?
Emily deu de ombros.
— Não sou sofisticada. Estas pessoas são.
— Você é melhor do que elas. — Emily baixou os olhos, e ele a sacudiu gentilmente. — É verdade. Você é mais sincera, mais generosa do que a maioria das pessoas neste salão. Elas podem ter dinheiro, mas você dá mais de si mesma. — Luca mal queria acreditar no seu próprio presente. — Você sabe ouvir, é gentil, engraçada e linda.
Emily estava totalmente corada, mas não de desejo e sim de prazer. Seu sorriso quase tímido era doce. Mas foi o brilho nos olhos verdes que mexeu com Luca; o brilho de sinceridade.
— Porém, mais importante — acrescentou ele, precisando suavizar suas declarações — você adora ópera e comida italiana, além de ter muita cultura.
— Você é tão provinciano — protestou ela, mas ainda estava sorrindo.
— Está vendo, você até sabe palavras longas.
— E prepotente.
— Você também é encantadora.
— Arrogante.
— E uma boa dançarina.
— Já mencionamos arrogante?
— Você me ama por isso.
— Se eu o amasse, seria apesar disso.
Luca riu e a girou num passo da dança antes de puxá-la para si novamente.
— Não me divirto tanto há anos.
— Quer dizer, não tem tanto sexo. — Os olhos dela brilharam.
— É verdade. E, honestamente, eu estava de olho em algum canto isolado, mas não há nenhum. Terrível. — Ele roçou-lhe o nariz com o seu. — Ainda assim, estou me divertindo.
Emily ergueu o queixo.
— Então, onde você aprendeu a dançar?
— No colégio interno. Com a sra. Brady. — Luca a girou mais uma vez, trazendo-a para muito perto, de modo que seus quadris e torsos estivessem unidos.
— Ela pode ter ensinado você a valsar, mas não acredito que o ensinou a agarrar tanto a parceira de dança. — Ela já estava ofegante.
— Ah, não. A sra. Brady era muito jovem. Era o primeiro ano que ela lecionava, meu último de escola.
— Luca!
Ele abaixou o braço, inclinando-lhe a cabeça e os ombros quase até o chão, inclinando-se sobre ela e rindo. Finalmente se esquecendo de tudo, exceto no quanto se sentia bem quando Emily estava perto.

Classificação:







2 comentários:

Mireliinha disse...

AWN que fofo!
Gostei de ter piano, dança,...

Quero ler!
Valeu pela dica!

:*
Mi
Inteiramente Diva

sol kjaer disse...

oi lu,quero te indicar um filme que adorei, chorei tanto que pensei... tenho que falar, o nome do filme e antes que o dia termine tem clipe no youtube,my heart back,lindooooo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...